Curitiba tem a maior produtividade em tecnologia no país

 

Curitiba ficou em primeiro lugar no ranking brasileiro de produtividade e eficiência do setor de tecnologia. A liderança folgada da capital paranaense, em relação a São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Florianópolis e Recife, é apontada pelo relatório anual Tech Report 2020, que acaba de ser divulgado pela Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), um dos órgãos mais respeitados do segmento.

O estudo analisa a média de faturamento e de funcionários das empresas de tecnologia do país para produzir o ranking de eficiência produtiva. Em 2019, Curitiba teve taxa de R$ 108 mil por trabalhador, o índice mais alto do país. Porto Alegre (RS), que ficou em segundo lugar, teve taxa de R$ 91 mil por funcionário, seguida de Florianópolis (SC), com R$ 78 mil.

Na sequência, aparecem Recife (R$ 69 mil), São Paulo (R$ 64 mil), Rio de Janeiro (R$ 46 mil) e Belo Horizonte (R$ 46 mil).

“A capital paranaense teve um grande avanço em relação ao ranking de 2018, no qual figurava em sétimo lugar”, comemora Adriano Krzyuy, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação – Paraná (Assespro-PR).

“E mais importante que o primeiro lugar no ranking é o aumento de produtividade, pois Curitiba passou de uma taxa de R$ 86 mil para R$ 108 mil por funcionário, também o maior crescimento de produtividade no país”.

“O Tech Report 2020 mostra a força do ecossistema do Vale do Pinhão, que coloca Curitiba na liderança em produtividade e eficiência em tecnologia no Brasil. É mais uma prova da maturidade e da visão moderna das empresas de tecnologia da cidade e da capacidade de nossos profissionais do setor”, avalia Cris Alessi, presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação. O órgão ligado à Prefeitura é responsável pela política de empreendedorismo e inovação da capital.

Das capitais que aparecem no ranking, somente Curitiba e Porto Alegre tiveram aumento na produtividade, todas as outras tiveram queda. Mesmo assim Porto Alegre teve um crescimento bem menor que Curitiba, passando de R$ 84 mil para R$ 91 mil por trabalhador.

Paraná

Os números de Curitiba também ajudaram o Paraná a passar da segunda para a primeira colocação no ranking estadual de produtividade em tecnologia, à frente de, respectivamente, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo. A taxa paranaense em 2019 foi de R$ 90 mil por trabalhador, bem acima da média nacional de R$ 52 mil por funcionário.

Com 19.600 empresas de tecnologia, o Paraná foi o estado com o segundo maior faturamento no setor em 2019, de R$ 21,2 bilhões, crescimento de 8,8% em relação a 2018.

Tecnoparque

A presidente da Agência Curitiba lembra ainda que, nos últimos quatro anos, a Prefeitura tem apoiado o setor de tecnologia.

“Além da desburocratização para abertura de novas empresas, o município lançou o 1ºEmpregotech, curso gratuito de programação de computação para jovens entre 16 a 22 anos, e reativou o Tecnoparque, que oferece redução de 5% para 2% no Imposto Sobre Serviços (ISS) para empresas que investem em tecnologia e inovação”, justifica Cris.

Relançado pela Prefeitura em 2018, o Tecnoparque garantiu investimentos de R$ 105,6 milhões para empresas de base tecnológica de Curitiba nos últimos dois anos. O valor é referente à desoneração oferecida pelo município com a redução do ISS.

Atualmente, 108 empresas participam do programa, como MadeiraMadeira, Olist, Doctoralia, Contabilizei, Hi Technologies, Checkmob, Juno, James Delivery, Rentcars, Horizons, Direção, Send4 e Positivo. Juntas, ela geram 12,7 mil empregos e faturam R$ 4,97 bilhões.